arquivos

Junho 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Fevereiro 2017

Julho 2016

Outubro 2015

Maio 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007


blogueiro

Posts mais comentados

2 comentários
1 comentário
1 comentário

posts recentes

PRIMAVERA

Meu poema e Minha dor meu...

Mar Salgado

Coração Partido

Hoje caminhei

Anjo

Sentimento

Entre o Sonho e a Realida...

RECORDAREI!

Quinta-feira, 20 de Abril de 2017

PRIMAVERA

373822_450213545018445_1401229440_n.jpg

Primavera

Entre o frio e calor

Do inverno e primavera

Estremeci quando te senti

Fiquei sem poder falar

Mas falei

Porque tinha que dizer

Só não podia amar

Mas amei em poder imaginar

Sentir o teu frio no meu meditar

Dar-te um abraço e não chorar

Secar tuas lagrimas

Para não congelar

Com o frio do inverno

Mas a força do tempo

Faz elas verterem pela face

Não das estações

Mas sim das desilusões

Das tempestades

Tem seus clarões

Em que sonhamos

Viver sem contemplações

Mas temos que viver

O tempo das quatro estações

Um dia por baixo

No outro por cima

Ver o sol a beira-mar

Sonhador dos sonhos perdidos

Lutando em cada estação

Nunca perder o sentimento de união

Sentir o calor depois do frio

Assim é a vida rolando

Em frente de cada estação

Amar o amor sem ressentimentos

Na confiança da sua navegação

Porque sem amor e respeito

É que se vai para traição

Mas no inverno é somente

Uma estação

Breve bem o calor do verão

Para nos fazer sorrir

No amor  da sua estação…

 

AUTOR , sonhosolitario

 

Spring
Between cold and hot
Winter and spring
I shuddered when I felt you
I could not speak
But I said
Because I had to say
I just could not love
But I loved being able to imagine
Feel your cold in my meditation
Give you a hug and do not cry
Dry your tears
To not freeze
With the cold of winter
But the force of time
Make them pour through the face
Not from the stations
But of the disappointments
From the storms
Have your flashes
What we dream about
Live without contemplation
But we have to live
The time of the four seasons
One day down
On top of the other
See the sun by the sea
Dreamer of lost dreams
Fighting in each season
Never lose the feeling of union
Feel the heat after the cold
This is how life is going.
In front of each station
To love love without resentment
In the confidence of your navigation
Because without love and respect
It is that one goes to treason
But in winter it is only
A station
Brief well the summer heat
To make us smile
In the love of your station ...

AUTHOR, SONHOSOLITARIO

publicado por Sonhosolitario às 19:49
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 17 de Setembro de 2013

Meu poema e Minha dor meu sangue e sentimento

Meu poema e Minha dor meu sangue e sentimento

No meu poema escrevo com tinta de sangue

Ele é meu sentimento na minha voz surda

Dos meus medos desta vida insânia

Que por ela vagueio no meio da noite

Nas insónias que me estão escritas no meu meditar

Em poema não sabe o que sou me perco

Entro em outra vida é e não sou eu

Mas sou verdadeiro como sou aquele

Que consegue escrever e dizer que sabe amar

Perco-me quando falo em amor

Sinto a minha e tua dor

Por mim e pelo poeta

Vejo sofrimento amargura e dissolução

Escrevo por linhas tortas direto ao coração

Com todo sentimento sem ilusão

Tenho saudades tenho lagrimas e muito amor

Vejo teu rosto leio teu pensamento e todo tempo

E sinto tuas lagrimas percorrer-te o rosto

Não tendo forças para as limpar

De tantas lagrimas chorar

És aquele rio que corre direito mar

Onde desagua todo seu desejo por quem tinha o direito

De amar e ser feliz do seu viver

Na minha vida vagueio e na ansia de voltares

No poema escrevo coisas que deixei para traz

Que não consigo fechar a porta as recordações

Somente consigo fechar meus olhos e contemplar

Meu teu rosto e imaginar minha dor

Sentir o sangue percorrendo minhas veias

Misturado de sentimento das noites de prazer

Entre as manhãs do nascer do sol

Do rosto cansado mas feliz da vida ao seu natural

Repartir o amor nesta vida superficial

Querendo destruir a dor e todo seu mal

Mas que poeta é que nem a si próprio sabe ajudar

Que sonha neste seu poetar

De sua escrita quando escreve ao luar

Poema com sentimento sangue lagrimas

Da sua dor, será por amor

Porque serei corajoso se tiver medo

Não minha poesia não há medo

Somente sentimento do amor

Que me cura minha dor…

 

Autor-sonhosolitario
publicado por Sonhosolitario às 19:50
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 6 de Dezembro de 2012

Mar Salgado

Mar salgado

Perto de ti nasci e contigo cresci

Desde pequeno que contigo estou

Um homem de mim fez

Nas tuas águas puras e cristalinas

Ensinaste um homem com coração

Amar e repartir amor com devoção

A ti me entreguei nesta minha navegação

Enquanto navego em minha vida medito

Tenho sonhando e chorado sofrido e contemplado

Assim como tenho tomado o sabor do teu fel misturado do teu sal

Quando te zangas com tuas razões

Parecemos dois leões

Que conhecem suas posições das batalhas dos ventos

Tu guerreias por um lado e eu tento vencer por outro

Nesta minha labuta da vida, pela liberdade querida

Que me é muito querida com as honras desta nossa vida

Mas na hora da verdade fazes muita dor

Meu irmão e meu libertador

Tanto tiras, como me das muita dor

Nesta luta selvagem da nossa passagem da vida

Que nos é tão querida

Tu que nos acalmas com tua nevoa e neblina

Como uma ave de rapina

Nos fazes ter mais atenção e até se ouve o bater do coração

Nas procuras dos pontos estratégicos da navegação

Para encontrar o bem dito porto da razão

Ho mas sem ti e nada teria, sem sentir o sofrimento

Nada servia para uma vida de navegador

Tu que fizeste me mim um pai e um grande senhor

Tu que batizaste meu nome Marinheiro

Navegador para navegar o mundo inteiro

Entre padres e doutores, engenheiros e compradores

Tu que nos sustentas, com teus recheios das tuas águas

Há séculos que assim são inumeráveis

Que com as tuas ondas selvagens ceifas vidas

De pessoas que te são tão queridas

E nunca são devolvidas, e lhes dás o interno descanso em teu leito

Esses eternos lutadores, heróis desse teu mundo

Dessas lutas e combates do dia-a-dia de sua labuta

Na partilha do pão que deixavam para traz a sua verdadeira razão

O amor, fome, lar, e todo bem e assim como mal

E a ti se lançavam sem maldade, mas sim com ansiedade

De uma própria batalha da sobreviver da vida de sua família querida

Assim é e assim será minha batalha querida e amiga contigo mar querido

Assim serás a razão do meu navegar, com muito amor para te entregar

Te envio um abraço deste teu amigo e irmão de todo coração

Obrigado amigão sem ti e nada seria em minha vida…

 

Autor-Sonhosolitario

 

publicado por Sonhosolitario às 02:45
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito (1)
Segunda-feira, 29 de Outubro de 2012

Coração Partido

Coração partido

Com tua partida

O mundo ficou mais vazio

E meu coração partido se tornou

Nada dele se aproveita

 Fragmentado ficou

Repartido em lembranças  

Ficaram as recordações

Sinto-me perdido sem ilusões

Quero continuar a viver

E sentir as pulsações

Do amor

Pergunto a mim próprio

Como restaurar meu frágil coração

Todo fragmentado espalhado por todo lado

Tento conseguir decifrar este puzzle

E encontrar o código certo

E juntar todo fragmento

Em um só coração

Reconstruido e perfeito

E seguir por direito

Sem tormentos

E com sonhos para sonhar

Viver e vida e saber novamente amar

Sonhos de amor e encantar

Não sentir a dor

Lutar contra os receios  

E desfazer os medos

E juntar sentimentos

Viver todos momentos

Sem rancores

Mas muitos sabores

Que a vida nos dá

Para saborear toda nossa passagem

Nesta vida querida…

Autor- sonhosolitario

    

 

publicado por Sonhosolitario às 16:41
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 31 de Agosto de 2012

Hoje caminhei

Hoje caminhei

Hoje caminhei ao sabor das ondas

Perdido na minha imaginação

Não sei se era dor

Ou foi pura sedução

Te imaginei pura

Amável, diferente  

Com teu coração ardente

Como aquela chama florescente

Que mostrava algo diferente

Inteligente de lindas maneiras

Eras gente que gosto de recordar

Neste meu caminhar

Perdi-te na solidão do meu mar

Nem o coração consigo encontrar

Para me ajudar

Assim vou viver

A minha vida como um amigo

Neste meu castigo

Encontrar novo caminhar

Para feliz estar

Não quero de ti fazer  

 Minha tortura

Quero sim saborear

Tua doçura

Para não entrar em loucura

Neste meu viver

E meus dias engrandecer

Entre o amor e a ilusão

Sim vou viver sem rancor

Porque sou um sedutor

Somente por amor

Deste meu caminhar

Quero alguém que me saiba respeitar

Porque amizades

Não se devem matar

Mas sim respeitar

Com ou sem amor

Para amar…

Autor-sonhosolitario

publicado por Sonhosolitario às 19:52
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

mais sobre mim

visitantes solitarios




.SELO: